A expressão “Reino de Deus” é uma metáfora. Algo que seria entendido pelas pessoas da época de Jesus. Todo lugar tinha um rei, um imperador, um monarca, todos os lugares eram reinos. Pra pessoas que tinham dificuldade de abstrair, a comparação era necessária. Mas é apenas uma metáfora para a ideia que fazemos de céu. Não o céu físico, mas o céu onde Deus habita. Deus habita no céu. Deus habita no seu Reino. Então o Reino de Deus é o lugar da habitação de Deus. Assim podemos concluir que realmente o Reino de Deus já chegou e está perto de nós, por que Deus se fez carne e habitou entre nós, através de Jesus. Então aqui mesmo é o Reino de Deus. Meu coração é o Reino de Deus porque é nele que Deus habita ou pelo menos onde Ele deseja habitar.

O Reino de Deus é, enfim, a presença de Deus, com tudo de bom que a presença de Deus pode trazer. E o que de melhor a presença de Deus pode trazer é VIDA. Jesus mesmo disse que ele veio trazer vida e vida plena! Vida em abundância. Vida de verdade.

Caminhar por esse Reino é abraçar a vida sem a pretensão das certezas e do controle de tudo, mas com o coração carregado de esperança. Em outras palavras: Não há garantias!

Deus não promete que, ao seguí-lo, haverá algo como que uma bolha protegendo o seguidor de todos os males que se abatem na vida de todas as pessoas. Não há uma imunização contra as vicissitudes da vida. Não há uma proteção contra a maldade, contra a crueldade, contra acidentes, contra as perdas, contra as frustrações, contra as tragédias, contra a morte. Não há.

É muita pretensão de nossa parte exigir de Deus que nos dê uma vida com mais garantias do que às demais pessoas. Deus não vai nos dar privilégios porque o servimos. Isso seria barganha. Algo contrário a um Deus que derrama seu amor e sua graça sobre todos, maus e bons. Assim como a chuva cai sobre maus e bons, assim também o amor de Deus.

Não peça pra Deus passar o seu processo na frente dos outros lá na Justiça, antes, exija que a justiça seja rápida para todos. Não peça para Deus livrar você do acidente não importando que milhares de pessoas morram como consequência da violência no trânsito e da omissão dos governos. Antes, faça sua parte, exija maior rigor nesses crimes, exija maior comprometimento dos governos, seja você também mais educado no trânsito.

Não pense que toda a sua vida está sob o seu controle ou sob o controle de Deus. Ele não é um títere a controlar marionetes. Deus dá liberdade às pessoas. Se um jovem morre no trânsito não foi porque Deus quis, porque ele determinou, mas porque um irresponsável provocou isso. Nem tampouco Deus quer ensinar nada a seus pais com isso, porque Deus não seria tão monstruoso a ponto de causar tanta dor só pra ensinar uma lição. Esse não seria um Deus, mas um diabo que deve ser combatido.

Se não há essas certezas, o que há então? Há uma presença! A promessa de que Ele estaria conosco todos os dias. Há também uma esperança! “No mundo vocês terão sofrimentos, mas tenham bom ânimo!” Esperança, inclusive, de vida eterna. Esperança de que o bem vença o mal afinal. Esperança de que a bondade vencerá a maldade um dia. Esperança de que um dia toda lágrima será enxugada e não haverá mais morte, nem pranto, nem tristeza!

É necessário, por fim, abraçar a vida reconhecendo que ela é sagrada. Valorizar cada momento, cada alegria, cada encontro. E o que sacraliza a vida são os afetos. O afeto é sagrado. É preciso viver a vida rodeado de afetos, isso é sagrado, vida verdadeira, ou seja, Reino de Deus.

Márcio Rosa da Silva

Anúncios