Márcio Rosa da Silva

Acho legítimo questionar a razão pela qual Jesus fez alguns milagres, que ficaram eternizados através da palavra escrita, nos Evangelhos. Sim, porque aqueles milagres não foram uma intervenção definitiva para exterminar determinado mal. Por exemplo, quando Jesus curou o cego de Jericó, ele não acabou com a cegueira no mundo, só serviu mesmo para aquele homem. Mas havia algum propósito maior em fazer aquele milagre para que aquela informação chegasse até nós? Acredito que sim. Penso que os milagres que Jesus realizou aqui na terra apontam para verdades de seu ministério messiânico.

Quando ele curou alguns da cegueira, ele apontava que estava possibilitando a cura da cegueira espiritual e existencial. Das trevas do distanciamento de Deus, agora as pessoas, todas as pessoas, poderiam ver a luz, manifestada através de sua vida, encarnação do Verbo, Deus feito homem.

Não entendo que Jesus fez tais sinais para que as pessoas cressem nele. Ao contrário ele demonstrou insatisfação ao dizer que as multidões o seguiam por causa do que ele podia fazer e não exatamente por conta de sua mensagem. Ele bem sabia o que se passava no coração das pessoas. Os milagres não seriam suficientes para consolidar a fé de ninguém. Tanto é que ele foi abandonado por quase todos durante sua paixão.

Jesus disse que faríamos obras maiores do que as que ele fez. Com base nisso alguns televangelistas dizem que fazem mais milagres do que Jesus fez, pelo menos é essa a propaganda. Mas não posso concordar que seja assim, da forma grotesca como se mostram nos programas religiosos televisivos. Sim, obras maiores já acontecem. Um médico oftalmologista, hoje, pode dar vista a muito mais pessoas do que Jesus, em sua época, por causa da benção da medicina. Surdos podem ouvir com um simples aparelho. Outros conseguem “ouvir” pelas mãos de dedicadas pessoas através de Libras. Pessoas condenadas à morte voltam à vida por conta de avanços da medicina. Chegará o dia em que paralíticos serão curados, o câncer, a AIDS e outras doenças serão curáveis. Essas são as obras maiores que as de Jesus.

E há alguns milagres que são quase uma ordem de Jesus para fazermos o mesmo. O caso da multiplicação de pães é uma indicação clara de que nós temos que erradicar a fome no mundo através do compartilhamento. Sim, nós podemos fazer isso, o mundo pode fazer isso, mas não o faz. Um milagre possível, porém que a humanidade se nega a fazer. Já reparou que aqueles senhores milagreiros da TV fazem um monte de milagres que dependem da pessoa que os recebe? Uma dor de cabeça que passa, um “caroço” que desaparece. Mas eles nunca fizeram um desses milagres de multiplicação de pães. Se é pra fazer igual Jesus então tinha que multiplicar pães e transformar água em vinho também. Mas isso dependeria da fé deles e não do fiel, então seria outra estória…

Prefiro ficar com o caráter messiânico dos milagres de Jesus que apontam sempre para outras realidades, muito superiores à necessidade imediata. Jesus não transformou água em vinho em Caná, apenas para que os convivas ficassem “encharcados”, mas para apontar que ele estava trazendo para esse mundo, através de sua vida, uma mensagem cheia de Graça e alegria em lugar da sensaboria de uma religião que não proporcionava um relacionamento verdadeiro com Deus. E a vida de Jesus é o maior milagre do universo. Nisso eu creio.

Anúncios