Alguns ainda insistem na idéia de que mega eventos poderão transformar realidades e expressar os verdadeiros valores do cristianismo. Mas isso é apenas uma ilusão. Megalomania não combina com a simplicidade daquele menino que nasceu num curral e foi colocado para dormir numa manjedoura, ou seja, num cocho. Será que precisamos pedir a Deus que abale Boa Vista, como forma de promover avivamento?

Abala Boa Vista? Não, por favor. Boa Vista já está abalada pelos recentes escândalos de pedofilia. Isso já fez as famílias ficarem abaladas, entristecidas, preocupadas.  A vergonha de ter mais uma vez o nome de nossa cidade em noticiários nacionais, de maneira negativa, certamente nos abalou a todos.  A exploração sexual de crianças e a submissão de adolescentes à prostituição nos deixaram estarrecidos e, certamente, abalados.

Abala Boa Vista? Não, por favor. A recente crise na área da educação, natural no regime democrático, mas que revela o quanto ainda precisamos avançar, certamente nos deixou abalados, professores, gestores, pais e, principalmente, alunos, o elo mais frágil dessa corrente.

Abala Boa Vista? Não, por favor. Boa Vista já está abalada com a crescente violência, com as galeras que ameaçam voltar e com criminosos profissionais que atacam comerciantes e pessoas comuns, fazendo-nos ter que trancar portas, gradear janelas, e, para os mais abastados, colocar cercas elétricas em suas casas. Já estamos abalados demais com a banalização da vida e com a violência gratuita.

Abala Boa Vista? Não, por favor. Boa Vista já está abalada pelo trânsito violento, que deixa centenas de pessoas mutiladas ou inválidas. Ficamos abalados todas as vezes que um jovem perde a vida, de modo prematuro, no trânsito de nossa cidade, o que, infelizmente, ocorre com indesejada freqüência.

Abala Boa Vista? Não, por favor. Boa Vista já está abalada pela pobreza da maioria de seus habitantes, os quais ficam à margem do sistema de consumo e sem acesso aos mínimos bens e serviços essenciais à uma vida razoavelmente confortável, sempre dependentes de iniciativas assistenciais.

Não oro para Deus abalar Boa Vista. Oro para que ela seja fortalecida em bases sólidas e possa experimentar os verdadeiros valores do Reino de Deus que são justiça, paz e alegria no Espírito Santo. Mas isso não se consegue com eventos, palavras de ordem e chavões desgastados, que ninguém agüenta mais ouvir. Isso só será possível com homens e mulheres comprometidos que, com discrição, envolvidos no tecido social, encarnem tais valores e os vivam. Cristianismo não é evento, é vida.

Oro para que sopre um verdadeiro avivamento, que desperte em nós o desejo de sermos mais humanos, mais sensíveis à dor alheia, mais generosos com o próximo, mais comprometidos em transformar a história com a prática, com nossa própria vida.

Talvez assim possamos dizer de Boa Vista o que o salmista disse da cidade de Deus: “Deus nela está! Não será abalada!”

Márcio Rosa da Silva

Anúncios