Cada vez mais me convenço que a religião faz mal às pessoas. Talvez Marx estivesse certo quanto ao efeito entorpecedor da religião organizada. Fico até assustado com as reações de religiosos quando algumas de suas verdades absolutas são questionadas. Então vejo o quanto as religiões se afastaram da pessoa de Jesus. Sim, expressões raivosas, destilando ira, intolerância, ou, no mínimo, deselegância, não estão bem de acordo com o exemplo de Jesus. E é exatamente assim que reagem os que se renderam a uma ortodoxolatria, pouco importando se católicos, protestantes, muçulmanos ou judeus. Se a pessoa se acha filiada à única instituição que tem o monopólio da salvação, a reação é sempre parecida.

            Para usar um termo da moda, “cansei” da religião e dos discursos recheados de dogmatismos, certezas absolutas e interpretações incontestáveis. Não vou perder meu precioso tempo discutindo com quem não tem candura, doçura ou tolerância. Para demonstrar firmeza em sua crença não é necessário perder a ternura. Recuso-me a fazer “guerrinha” de versículos, isso é pueril, ridículo. Quero investir meu tempo com quem queira perceber Deus mais profundamente, mesmo que não seja adepto da minha instituição. Até porque é apenas uma instituição, não é uma mediadora entre Deus e os homens. O único mediador entre Deus e os homens não é uma organização, mas uma pessoa: Jesus.

            Não vou me sentar com quem tenha todas as respostas para todas as perguntas da humanidade e conheça tudo sobre Deus. Como Deus é infinito, o conhecimento sobre Ele também é. Nenhuma religião, por mais antiga, rica e hierarquizada que seja detém todo o conhecimento de Deus. Nem a eternidade será suficiente para esquadrinharmos completamente a Deus, pois Ele é maior do que a eternidade.

            Não aceito a idéia de que uma religião possua uma pessoa que seja infalível no que pertine aos assuntos celestiais e que possua, tal pessoa, o poder de abrir e fechar o Reino de Deus para quem quer que seja. A porta para o céu, para o Reino de Deus, para Deus mesmo, foi aberta na cruz. Nenhum homem tem o poder de fechá-la. Jesus é a porta, como Ele mesmo declarou, e esta característica não foi delegada a nenhuma organização religiosa.

            Não me sinto à vontade para prosear com quem acha que conseguiu colocar em um baú todos os arcanos do Senhor, todo o mistério do divino, toda a verdade. Nenhum homem, mulher ou instituição possui a verdade final sobre Deus, a verdade sobre Deus não é um conjunto de interpretações sobre alguns textos sagrados, a verdade absoluta sobre Deus é a verdade encarnada: Jesus. Ele É a verdade. Se eu segui-lo, estarei seguindo a verdade. Se eu tentar me espelhar nele, estarei me espelhando na verdade. Fora da pessoa de Jesus não há salvação, posto que ninguém vai ao Pai, senão for por Ele. E quando ele declarou isso, não acrescentou que Ele fosse propriedade peculiar de qualquer instituição religiosa.

            Entretanto vou continuar ousando pensar e manifestar meu pensamento, ainda que isso irrite aqueles que imaginam que fora dos muros de suas instituições não há conhecimento acerca de Deus. Vou continuar dizendo que as instituições humanas não são sagradas e inquestionáveis, ainda que eu desperte em alguns o desejo de reacender as fogueiras da Inquisição. Não vou desistir, ainda que seja chamado de “infeliz herege”, “herege blasfemador”, “boçal”, “pastor de igrejola de esquina”. Claro que isso chateia, mas tenho aprendido com Jesus a dar a outra face quando injustamente agredido, e assim farei. Aliás, considero-me privilegiado, pois também a Jesus fizeram o mesmo e eu não sou maior que o meu Senhor. Resistirei pacificamente. Só não vou me calar.

Márcio Rosa da Silva

Anúncios